musicas.mus.br

Letras de músicas - letra de música - letra da música - letras e cifras - letras traduzidas - letra traduzida - lyrics - paroles - lyric - canciones - INVERNO QUENTE INVERNO - HAIKAISS - música e letra

Utilize o abecedário abaixo para abrir as páginas de letras dos artistas

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z

Inverno Quente Inverno letra


[Spvic]
Hey, você que tem tudo
E se tirarem tudo de você
Em que se apoiar, não tem pra onde correr
Você vai segurar, não tenta entender
Tá em choque de dia, vai chorar quando anoitecer

E se deparar com um silêncio que provoca
Com gente mais ruim que personagem de anedota, ó
De noite brota só, zumbi de porta
Se esbalda em lua cheia feito Alexandre Frota

Se quer espaço? De vai e vem quer dar abraço
Nunca fumei, então guarda o seu maço
A frieza do cansaço, áspero por acaso
Nasço após cada laço, um passo antecede um passo e só

Maqueia sua vida na bola de meia não vai resolver
Visita mar de laranja madura na beira da estrada
Ladeira e descida, o inicio e o fim
Dois lados pra escolher, eu desço a milhão
B.O tá na mão, conheço melhor a quebrada

HÁ!

Pro desespero dos que cuidam da minha vida
Não atendo celular, facebicos querem briga
Siga-me, só, não persiga-me
Antigamente era outra fita
Tente não só acompanhar o zica
Vem vê, Parque Monteiro, Peri
Furnas, Flamengo, Lili, Sapo, Dio, Heli, De caps à drita
Paga pra sair

Some, consome, estoque e se entope,
se envolve e vicia esse bando de lock!
Se os cara compro, e eu vendi é porque trabalhei
E eu falei pro seu guarda
Não quero saber, vou cumprir meu dever,
a voz dele é ativa de farda

Eu sinto vergonha admito
Eu sinto vergonha, do meu país
Eu sinto vergonha admito
Sinto vergonha, do meu país

Mano eu sei que é osso, o tempo corre mais
Cadê a segurança guardada de um tempo atrás?
Me disseram que era osso sair do fundo do poço
Inverno quente inverno me movo pra ver se posso

Mano eu sei que é osso, o tempo corre mais
Cadê a segurança guardada de um tempo atrás?
Me disseram que era osso sair do fundo do poço
Inverno quente inverno me movo pra ver se posso

[Spinardi]
Eu to no ar visto a jaqueta preta
De tempos, jaqueta velha
Uma das únicas, quarta gaveta

Produtos somem, eu procuro por nome
Nomes de vias noturnas, quem vende e consome
Enquanto minha mãe senta no sofá vendo gazeta
Porém, conforme

Eu prendo a fumaça
Fedor de carcaça
Da roupa que amassa
Aperto passo e sigo atento
E mano queima e passa
Sirene que embaça
Sirene que grita faça, faça
Sirene que grita faça

Em tão pouco tempo garoto precoce
Vendeu o que a família tinha de posse
Pra substância do corpo que pede
Que vive de, vive de, vive de tosse

E ele admite que a vida não é tão fácil, é foda
Sei que podia não acontecer
O que tinha que havia de acontecer
Mas pode crer quem se incomoda

Vivendo entre zumbis
Quem vai constar uma, quem vai garantir
Que o garoto teria pra frente um futuro seguro
Convívio com obscuro e nele já não me saturo
Meu conselho pra você é que desconfie da altura do muro

[Sombra]
Vai e vem nas quebradas eu digo está assim
Não desvie o caminho adiante, eu vou vish sei
Passo por ali
O que você quer, sim, tem o que você quer
Causar as inconsequências deixam o caminho estreito
Sem poder recorrer a algo que é seu por direito
É sem conceito, o perfil dos loko é sem respeito

No mais bem, algo mais além
Deixe seu psicológico tipo seu refém
Mano sem essas nunca nestas,
Presta atenção e verás
De fato o que acontece

Lidar com as coisas desde o ponto de partida
Haikaiss e Sombra filosofando a vida

Mano sei que é osso, o tempo corre mais
Cadê a segurança guardada de um tempo atrás?
Me disseram que era osso sair do fundo do poço
Inverno quente inverno me movo pra ver se posso

Mano sei que é osso, o tempo corre mais
Cadê a segurança guardada de um tempo atrás?
Me disseram que era osso sair do fundo do poço
Inverno quente inverno me movo pra ver se posso

Haikaiss - Letras

©2003 - 2017 - musicas.mus.br